Saturday, July 21, 2007

Meu motor é vontade / Will is my power



Esta pintura é de janeiro deste ano. Estava eu pensando em um universo de possibilidades, de como refazer o mundo, a minha maneira, por não encontrar nada envolta que suprisse meu desejo por “mais”. Mais de que? Não sei. De tudo talvez...

This painting is from January, this year. I was thinking in a universe of possibilities, of how to reconstruct the world, my way, for not finding anything around that sufficed my will for more. What more? I don’t know, everything maybe…

7 comments:

Leila=) said...

Refazer o mundo na sua mão, na sua mente e nas suas idéias...
Hum...
O que é que eu posso esperar disso hein?

Pintura linda...
Pintor único...
E idéia sublime...

Xêru Justin!!

Andréa said...

Nossa!

Não sabia q vc pintava também!

A arte completa vc em vc, hein? =]

Sobre o título: vontade é imprescindível, mas será que só vontade basta? Já pensei algumas vezes sobre isso... será que poderia uma vontade ser a motivação? Isso daria no mesmo?

Ah! esquece... rs

Pintura perfeita... o Universo de possibilidades ao alcance das suas mãos...

Espero ver mais por aqui. =]

Gilson said...

Leila, seu sorriso é super acolhedor, um xèro pra você tb!

Ola Andréa, pois é, a gente de vez em quando consegue dizer na arte o que de outra forma seria impossível. Quanto ao título, não acho que vontade por si só basta, ela precissa estar aplicada em alguma coisa pra surtir efeito, tipo gasolina, que sozinha não passa de um liquido fedorento. Acho que estava me referindo mais a vontade de criar algo novo. Valeu pelo comentário! Um grande abraço.

rodrigo said...

Gostei dos contornos da mão como suporte da circunferência.Meu raciocinio do momento é, pensar no seu ímpeto, o que poderia ser deduzido como principio da criação do pensamento, sendo você o propulsor de uma energia que sugamos através dos símbolos, e ter como fim uma reflexão sobre toda a camada externa da energia em sua estética como apresentação, que na película rotineira é tão propicio a não visualização da profundidade do agir humano externizador do que chegou a ser desejo antes do agir (quando lapidado, cuspido, ou pintado com ardor). Porque o viver fútil aleatoriamente ignorante ante aos sentidos que podemos explorar, me satura a ponto de intencionar definir o “verdadeiro” desejo que surgi de uma espécie de amor difusor tantas vez cego às idéias. é isso que tento expressar. Ora merda!

porra nenhuma, eu sou um ilucionista, pessoal, esmiuçado e transitório.

abraço, guiolh som

Anne said...

e ele pinta também...
agora explique como tanto talento cabe numa só criatura?

xerão, gilson

Marcus said...

A arte é a melhor forma para um ser humano ser autêntico, seja na criação ou apreciação; é a melhor forma do ser humano ser humano, ou ser até algo melhor que só ser humano.
Teus escritos, tuas pinturas, tua música, tuas idéias, são o mais de você que pode ser emanado para os outros que somos e para refletir em quem você mesmo é, numa infinda busca por quem somos ou pelo quê somos. E dessa última parte eu participo ativamente quanto à mim mesmo. É muito bom participar e compartilhar dessa busca com você e com nossas queridas pessoas que estão conosco.

Gilson said...

Rodrigo... Falaste em algo que eu andei pensando ultimamente. Esse lance da criação artística é mesmo misteriosa, tipo, uma hora a obra não existe, e noutro então ela passa a existir. E o que acontece entre um estado e outro? Entre o não-ser e o ser? Ainda não arrisco uma resposta, é muito pra mim. Bom lhe ver por aqui amigo, um abraço!

Anne... Brigadão! Espero poder continuar fazendo coisas legais, é bem divertido.

Marquinho... Que massa cara, a arte é bem humana mesmo! O que você e as pessoas ao nosso redor contribuíram para meu pensamente é de um valor incalculável. Juro que sem vocês não seria a mesma coisa. Um abraço querido, saudades!